top of page

O ANTIGO E O NOVO EM PIEDADE (1937) DE JOSÉ DE MESQUITA

Temas de Ciências Humanas

CAROLINE BARBOSA AQUINO

DOI: 10.46898/home.

6b4f0b3b-2401-463e-8d77-d64142fe6094

Sinopse

Este artigo tem como objeto de análise a obra Piedade escrita em 1937 por José Barnabé de Mesquita. A partir da análise literária da obra, percebemos uma sociedade tradicional que passava por uma crise nos anos 1930 e que começava a se dissolver. Buscamos compreender com o romance Piedade, como no interior da obra, é representado as tensões entre o migrante e o “nativo”, entre o novo e o antigo, o tradicional e a modernidade, e a relação desse grupo de intelectuais mato-grossenses com a manutenção dessas tradições. Nesse sentido, entender como parte da sociedade lidou com essa tradição frente à ideia de modernidade. A participação do Estado Novo com o modernismo teve várias faces, uma delas era juntar o novo e nacional, modernização e tradição. A colaboração que Getúlio Vargas teve em relação à modernização, e consequentemente, o modernismo no Mato Grosso, tanto tecnológico quanto da estética, com a política de ocupação e o projeto “Marcha para o Oeste”.

Data de submissão:

8 de agosto de 2023 18:51:29

Data de publicação:

12 de dezembro de 2023 23:40:27

Gostou? Comente!
Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Adicionar avaliação
Share Your ThoughtsBe the first to write a comment.
bottom of page